Moedas

Autor: 
Ed Grabianowski

As primeiras moedas foram inventadas na Lídia, um império localizado onde hoje é a Turquia. Em cerca de 640 a.C. o rei da Lídia, Croesus, começou a produzir pequenos lingotes de metal estampados com um emblema imperial.

Este costume lidiano espalhou-se primeiro com os gregos e depois com os romanos. As moedas eram feitas de prata e ouro e seus valores eram impostos pela autoridade do governo que as emitia. Se os oficiais atenienses declarassem que todas as moedas cunhadas em Atenas, com o selo oficial local, fossem 97% de prata, então essas moedas seriam comercializadas com tal valor.

Na China, as moedas se desenvolveram mais ou menos ao mesmo tempo que no Ocidente. No século V a.C., os chineses começaram a usar facas ou ferramentas como forma de dinheiro de bens de consumo. As lâminas de metal tinham um furo redondo em uma das extremidades, então o dinheiro poderia ser enfileirado em uma barra ou corda. Finalmente, as ferramentas se tornaram mais estilizadas. Ao longo dos anos, elas se tornaram cada vez menores, até que sobrou apenas a extremidade aredondada com um furo. Estas moedas chinesas redondas e furadas continuaram virtualmente imutáveis até 1800.

Fazendo dinheiro
Quando a Casa da Moeda Americana cria moedas, senhoriagem -- a diferença entre o valor do dinheiro e o custo de sua produção - significa lucro instantâneo. De acordo com a Casa da Moeda Americana, é preciso apenas alguns centavos para cunhar um quarto de dólar. Esta diferença é o que mantém a casa da moeda funcionando.

Um efeito importante que as moedas causaram foi que os governos passaram a controlar o lançamento do dinheiro no mercado. Eles também podiam manipular o suprimento de dinheiro. Isto foi feito por vários imperadores romanos que reduziam o metal precioso contido nas moedas romanas quando precisavam de dinheiro. Eles calculavam que, se uma tonelada de ouro fizesse 10 mil moedas de ouro, eles poderiam ter mais do que o dobro de moedas reduzindo o ouro pela metade. Ao invés de fazer com que os imperadores enriquecessem, a constante desvalorização das moedas romanas (e a instabilidade resultante da economia romana) foi um dos fatores que levou à queda do Império Romano.

Quando Roma caiu, a maior parte da Europa voltou ao mais primitivo e feudal sistema de economia. Por toda a Era das Trevas, as pessoas tornaram-se receosas das moedas e tinham medo de que o dinheiro caísse em desuso. A cunhagem não retornaria até a Renascença.