Como funciona o salário

Autor: 
Luís Indriunas

Remuneração é a quantidade de dinheiro que uma pessoa recebe por um determinado trabalho. Salário é mais ou menos a mesma coisa - é a remuneração pelo trabalho, só que de forma constante, durante todo o período em que uma pessoa fica em determinado emprego.

O nome salário vem do latim e significa “de sal”. Afinal, foi na Roma Antiga que os soldados começaram a receber salários, mas, em vez de dinheiro, eles recebiam sacas de sal, um produto de grande valor na época.

Hoje em dia muitas pessoas recebem salário. Mas nem sempre foi assim. O salário foi se consolidando junto com o crescimento das cidades durante a chamada Revolução Industrial. O capitalista, dono do capital, começou a “alugar” a mão-de-obra dos operários pagando-lhe salário. Ah, mas para isso também foi necessário extinguir práticas comuns na era pré-industrial: a escravidão e a servidão.

Hoje, o salário é a forma mais comum de remuneração. Mas como é definido o valor do salário?

Todo salário tem uma série de descontos previstos em lei ou acordados com o empregador
©iStockphoto.com/Maciej Bogacz
Todo salário tem uma série de descontos previstos em lei ou acordados com o empregador. Para sabê-los, clique aqui.

Essa é uma questão complexa. Há pelo menos três importantes variáveis para definir o valor do salário. A primeira é quanto é preciso pagar para que uma pessoa faça um determinado trabalho, seja costurar uma camiseta ou desenvolver um software. Além disso, é preciso pensar no quanto essa pessoa teve de investimento pessoal para estar apta a fazer isso. A terceira variável é quanto essa pessoa precisa para viver. Ou  seja, para que ela fique concentrada no trabalho, é preciso que o dinheiro dê para ela comer, morar, vestir-se, além de vários outras necessidades que só devem aumentar se essa pessoa tiver uma família, por exemplo.

Resolver essa equação é extremamente complexo. O economista e filósofo Karl Marx, ao dissecar o capitalismo, mostrou que havia um “espaço” entre o valor que o capitalista vendia suas mercadorias e o quanto ele pagava para os seus operários. Ele batizou esse “espaço”, que pode ampliar seu capital inicial, de mais-valia. No início do capitalismo, as fábricas exploravam de maneira aviltante os operários. As horas trabalhadas chegavam a 12 ou até 17 horas diárias e os salários eram muito pequenos. Além disso, não existiam férias e , às vezes, nem descanso semanal. Essa situação foi mudando aos poucos em vários países graças a dois movimentos diferentes. De um lado, os trabalhadores se organizaram para lutar por seus direitos. O que não foi nada fácil. Muitas dessas greves e protestos terminaram de maneira violenta como no caso da greve em Chicago ainda no século 19, que acabou em mortes e prisões, mas que tornou-se o motivo para as comemorações de 1º de maio, o dia do trabalho. Do outro lado, as melhorias tecnológicas de vários processos produtivos facilitaram a vida dos operários.

Hoje em dia, a sociedade se sofisticou. Há vários tipos de trabalhos diferentes, os direitos de quem oferece sua mão-de-obra se ampliaram e os salários e formas de pagamento se pulverizaram.
 
Nesse artigo, vamos tentar mostrar alguns dos principais tipos de remuneração para o trabalhador existentes no Brasil e deixar claros suas facetas na prática.

Teste seus conhecimentos sobre:

salários